Quartas, às 24h, na TV Brasil
(Canal 2, 18 NET, 166 SKY)
DIRETO DO TWITTER: 

Assista aqui o último programa na íntegra!
Natália Lage entrevista o documentarista, roteirista, diretor e montador Pedro Asbeg.
25-03-11
COLUNISTA CONVIDADO - ANDREA BUZATO


LUZ, CÂMERA, SEXO

Quando fui convidada a fazer parte do elenco de Procuradas não tinha idéia do que viria pela frente. Na época, eu era âncora do telejornal do meio-dia na RBS TV em Santa Catarina. Tinha status e credibilidade. Mas o desafio foi tão tentador que pedi demissão como jornalista e topei interpretar uma garota de programa no longa metragem de José Frazão e Zeca Pires. Abandonei a bancada e o terninho pra subir no palco de fio dental. Fui chamada de louca, burra, irresponsável. Afinal, tinha 31 anos, dois filhos e uma vida completamente estruturada. O que para alguns era o fim, para mim era só o recomeço da minha carreira de atriz!

Foram dois intensos meses de mergulho no universo da prostituição. Tive aulas de dança, treinei strip tease com o maridão, li muitos livros e assisti a filmes relacionados. Mas foi o laboratório nas casas noturnas que me fez relativizar sobre essa profissão tão antiga. Sendo jornalista (e curiosa!) fiz centenas de perguntas e acompanhei o dia e a noite das prostitutas em Florianópolis. E são minhas observações que divido agora com vocês.

“Adoro sexo! Por que não unir o útil ao agradável?”. Essa foi a primeira declaração que ouvi na noite. A maioria delas leva uma vida dupla, cria personagem com nome fictício e esconde da família e da sociedade a real profissão. Conta para parentes e namorados que é promotora em eventos, modelo, ou outro tipo qualquer de trabalho sem vínculo empregatício. Diariamente cruzamos nas ruas com estas meninas que freqüentam escola ou faculdade particular e levam uma vida praticamente normal. Muitas sofreram abusos e apanharam em casa, por isso resolveram encarar o mundo por conta própria. Em vez de trabalhar um mês inteiro engolindo sapos pra ganhar uma quantia irrisória num emprego qualquer, elas preferem ganhar a mesma quantia em uma única noite de “amor”. Sim, muitas acreditam que vendem amor, que suprem a carência (não só sexual, mas afetiva!) de clientes fiéis.

Ouvi relatos incríveis sobre taras, história impossíveis de reproduzir nestas páginas. Vida fácil? De jeito algum. Elas labutam bastante madrugada adentro consumindo álcool, cigarro e até drogas pesadas para agüentar uma vida de sacrifícios. O que as atrai nesse mundo? Glamour, holofotes, fantasia, possibilidades. Que mulher não gosta de se produzir, de se sentir desejada, amada, cortejada? Em troca, recebe presentes e declarações. Pela primeira vez na vida essa menina sem perspectivas tem a possibilidade de comprar o vestido da vitrine, o sapato de grife, um mundo completamente diferente do que conhece. E quem sabe até viver um conto de fadas, como a prostituta de luxo vivida por Audrey Hepburn no clássico Bonequinha de Luxo ou, como Julia Roberts em Uma linda Mulher, se transformar numa elegante dama que flecha o coração do belo empresário solteiro.

Embora façam sexo por dinheiro, no fundo são românticas. Como todas nós mulheres sonham com um amor verdadeiro, com a possibilidade de encontrar alguém que queira mais do que um corpo, que enxergue a alma camuflada de maquiagem e decote. E enquanto servem de consolo ou fantasia, planejam uma vida diferente: “É só uma fase, só até fazer dinheiro, só até terminar a faculdade, só até...”

Glamour e decadência. Diversão e solidão. Fantasia e realidade. Noite e dia. O que me lembra a última cena da minha personagem Luma no filme. Depois de falar sobre a morte do grande amor e as dores em família, ela enxuga as lágrimas, respira fundo e entra em cena sob a luz dos holofotes. O show não pode parar.


image

ANDREA BUZATO
ANDREA BUZATO é atriz e jornalista. Apresentou o Programa de Domingo na TV Manchete e telejornais na RBS TV/SC. Participou da novela Bang Bang na TV Globo e foi mestre de cerimônias do Festival de Cinema de Gramado em 2006 e 2007. Tem três filhos e mora no Rio de janeiro. Atualmente ensaia a peça Uma sociedade, inspirada no conto homônimo de Virginia Woolf e se prepara para filmar o longa Senhores da Guerra, com direção de Tabajara Ruas.

REALIZAÇÃO
image
EQUIPE
REVISTA DO CINEMA BRASILEIRO é uma produção independente, em co-produção com a TV pública brasileira - TV Brasil, focada na diversidade do audiovisual brasileiro.
APOIO TÉCNICO


Desenvolvido por HERCULA