Quartas, às 24h, na TV Brasil
(Canal 2, 18 NET, 166 SKY)
DIRETO DO TWITTER: 

Assista aqui o último programa na íntegra!
Natália Lage entrevista o documentarista, roteirista, diretor e montador Pedro Asbeg.
29-06-12
COLUNISTA CONVIDADO - Ernoy Luiz Mattiello


DO SONHO Á REALIDADE: AVENTURA CINEMATOGRÁFICA PELOS TRILHOS MOSTRA O VALOR DE UMA OBRA MEMORÁVEL

Desde que os irmãos Lumière apresentaram em 1895, o primeiro filme do mundo aos parisienses, o trem marca presença nas criações cinematográficas. A perfeita relação entre o cinema e o ambiente ferroviário pode ser a explicação lógica para o sucesso de Memorável Trem de Ferro.

O primeiro documentário catarinense rodado em alta definição superou expectativas de aceitação pública e surpreendeu até mesmo os realizadores da obra. Tanto que mais de 15 meses se passaram desde o lançamento e o documentário continua conquistando espaço na grade de programação de grandes redes de televisão.

Numa época em que tecnologia digital é grande aliada em produções de baixo custo, pode-se afirmar que a obra que resgata a trajetória da Ferrovia São Paulo – Rio Grande, tem conquistado prestígio e admiração do grande público, não só pela técnica de abordagem, mas principalmente por suscitar o debate sério sobre a retomada dos projetos ferroviários em todo o país em especial a revitalização da SP- RS.

Da aquisição de equipamentos próprios a roteirização e uma viagem de quatro mil quilômetros pelos estados de SP, PR, SC e RS, lá se vão meses de trabalho e muita dedicação entre edição, finalização e distribuição da obra. A paixão de ver uma história centenária na telinha deu resultado, com exibições na TV Senado, Canal Terra Viva, Canal do Boi, TV Aparecida, Rede Brasil de Televisão e TV Século 21.

Em seguida vieram as projeções no circuito cineclubista em todo o Brasil, além de uma turnê especial em mais de 80 cidades do Sul e Sudeste. Uma verdadeira maratona que começou com um projeto de apenas 30 mil reais. A ação sem fins lucrativos ganhou adesão e novos patrocinadores surgiram.

E assim as cenas que desafiaram a curiosidade dos mais jovens e saudosismo aos que já desfrutaram de uma viagem de trem, seguem instigando lembranças e inspirando novas gerações. A comoção causada pelo filme deve ganhar ainda mais força nos próximos meses, já que uma parceira entre os produtores e a TAL – Televisão América Latina, deve garantir a distribuição da obra em outros 14 países latinos.

A consagração do filme, além de prestígio aos criadores, estimulou uma nova produção prevista para ser executada na última semana de Junho. A equipe faz mistérios sobre os detalhes, mas confirma se tratar de um tema ligado as ferrovias. Entre as apostas da nova produção estão as trilhas sonoras e a participação de um artista nacional, mas isso é assunto para um outro artigo.

Relatar cem anos de uma história que se passa em quatro estados do país, em menos de uma hora: Esse era o grande desafio da produção cinematográfica dos documentaristas Vilmar Miguel Sartori e Ernoy Mattiello. Das histórias contadas pelo avô durante a infância, aos estudos acadêmicos da São Paulo - Rio Grande, a Ferrovia do Contestado: Mistérios que são desvendados em Memorável Trem de Ferro.

O filme do gênero documentário é uma verdadeira viagem pelo mundo à vapor, relembrando uma época que o país seguia o caminho dos trilhos de ferro, em que o trem era o principal meio de transporte. Cenário de saudades e lembranças misturadas a modernidade; a história de uma das principais ferrovias do mundo saiu dos livros e do imaginário popular para ganhar a grande tela.

A obra resgata a história de um dos mais audaciosos empreendimentos da construção ferroviária mundial. Inaugurada em Outubro de 1910, pela Brazil Railway Company, empresa do conglomerado Farquhar, a ferrovia que motivou a Guerra do Contestado e consequente povoamento da região, acaba de completar cem anos.

O documentário lançado em Fevereiro de 2011 começou a ser rodado em Setembro de 2010 em Itararé, SP. Naquela cidade a ferrovia parte de um entroncamento com a Sorocabana. No estado paranaense a equipe gravou em Sengés, Jaguariaíva, Palmeira e União da Vitória. Já em SC, os cineastas tiveram locações em Matos Costa, Calmon, Caçador, Rio das Antas, Pinheiro Preto, Herval d´Oeste, Irani e Piratuba. No Rio Grande do Sul os cineastas estiveram em Marcelino Ramos, Passo Fundo, Santa Bárbara do Sul, Montenegro, Salvador do Sul e a bela Santa Maria.

Cenas como as velhas colônias gaúchas, até então desconhecidas do cinema, a ponte férrea que transpões o rio Uruguai, ligando gaúchos e catarinenses, além de uma viagem centenária entre Piratuba (SC) e Marcelino Ramos (RS), à bordo de uma locomotiva Ten Wheeler de 1922, e o cenário do assalto ao trem pagador em Pinheiro Preto (SC), são algumas das principais emoções desse filme.

São 18 entrevistas, o que inclui depoimentos de historiadores com titulação de doutores no assunto, além de ferroviários aposentados e até mesmo colonizadores da região do Contestado. Cada um ao seu jeito contribuiu para a construção dessa teia fragmentada, que agora é um filme.

O média rodado em película digital, serve-se do que há de mais moderno em câmeras e softwares de última geração. Outro detalhe importante na produção, diz respeito à trilha sonora, concebida especialmente para a obra. A música tema se apropria da simplicidade da alma cabocla, usando-se do som harmônico da sanfona e do violão. Uma perfeita combinação acústica, encontrada na suave melodia introduzida na letra.

Por fim é preciso afirmar: Filmes são feitos para serem vistos e como a ideia central baseava-se em uma obra sem fins lucrativos, milhares de brasileiros já puderam ver de graça o resgate de uma saga de valor inestimável. Mais que ver o sonho ganhar a expressão das telas, produzir obras baratas e de qualidade revela-se como um alento a novos produtores e principalmente: Uma resposta arrojada aos que só visualizam o cinema de grandes cifras e fazem do ego um entrave para o expoente do verdadeiro talento.


image

Ernoy Luiz Mattiello
Produtor Independente, Diretor de Marketing da VMS Produções / EL Virtual TV de Joaçaba – SC. Iniciou carreira no rádio como locutor em 1995, migrando para a televisão em 2001, onde atuou como repórter, apresentador e diretor em emissoras como SBT - SC, TV Anhanguera - Rede Globo Tocantins e TV Vitória Rede Record ES. MBA em Comunicação Empresarial e Marketing, Especialista em Assessoria de Comunicação e Imprensa, graduado em Com. Social Hab. Jornalismo. Em 2011 lançou o filme “Memorável Trem de Ferro”.

REALIZAÇÃO
image
EQUIPE
REVISTA DO CINEMA BRASILEIRO é uma produção independente, em co-produção com a TV pública brasileira - TV Brasil, focada na diversidade do audiovisual brasileiro.
APOIO TÉCNICO


Desenvolvido por HERCULA